Repouso




Uma coisa que aprendi nesse três anos de casamento, é não acreditar em clichês, sabe aquela pessoa que se divorciou porque o marido segundo ela "era acomodado" e fala pra você que "todo homem é imaturo" ou aquela que passou por situações traumatizantes no casamento e diz que "Depois do casamento tudo muda, pra pior" e "todo homem é safado", ou "a rotina que destrói o casamento" e clichês sobre filhos, então, nem vou citá-los aqui!
Acho que cada casal tem sua própria história!  História que começa bem antes do casamento, e se aprimora
durante!
Lendo o livro "Montanha Russa" achei uma crônica que achei muito contundente, amei ler:

Repouso


Uma jornalista outro dia me perguntou se eu achava que a conquista amorosa tinha que ser cotidiana. Para ilustrar a pergunta (ou sutilmente condicionar minha resposta) ela citou um verso do poeta Nei Duclós: "Nenhuma pessoa é lugar de repouso". Um belo verso, que faz a gente pensar que não podemos descansar sobre um amor já conquistado, que devemos permanecer incansáveis em busca de seu incremento.
Pois é, belo verso, mas não concordo. Acho que a pessoa com quem a gente vive pode e deve ser lugar de repouso: é uma das sofisticações do amor. Depois de muitos anos juntos, é claro que a paixão evapora e a rotina toma conta. São favas contadas, acontece com todos os casais. fazer o quê? Usar lingerie sexy, descobrir lugares inusitados para transar, "reinventar" a relação? Bobajada. Uma relação desgastada é coisa séria, não se salva com meia dúzia de truquezinhos de revista. Ao contrário, a gente tem é que tirar proveito desse momento sereno, que tem seu valor.
É a delícia das delícias seduzir, cometer insanidades, viver adrenalizado por uma paixão. Muitos casamentos acabam pela falta disso tudo, mas se você não pretende terminar o seu e não está disposto a voltar para e excitante vida de solteiro, tire proveito da mansidão de sua história. Se você está há muitos anos com a mesma pessoa, provavelmente ela é quem melhor conhece você, já não é preciso dar muita explicação. Seus motivos, ânsias, métodos e desejos são conhecidos de cima a baixo, de trás pra frente, economiza-se muito em palavras, os gestos falam por si, e o silêncio é bem-vindo. Quer coisa melhor que ficar quieto ao lado de alguém, sem que nenhum dos dois se atrapalhe com isso?
Longos amores conseguem atravessar a fronteira do estranhamento , um vira pátria do outro, amizade com sexo também é um jeito legítimo de se relacionar, mesmo não sendo bem encarado pelos caçadores de emoções. Se o telefone toca, é ótimo; se não toca, o mundo não acaba: não é pela ansiedade que se mede a grandeza de um sentimento. Sentar, ambos, de frente pra lua, se houver lua, ou de frente pra chuva, se houver chuva, e fazer um brinde com as taças, contenham elas vinho ou café, a isso chama-se trégua. Alguém como lugar de repouso. Até que sejam reconvocados pra guerra.


Martha Medeiros




7 comentários:

MARLENE postou o comentário número:

Oi Elaine,
A Martha Medeiros é fantástica, né? Ela escreve o que pensamos e não conseguimos expressar. Sou casada há muito tempo e sei exatamente sobre o que ela fala nesta crônica. Amei ler, ainda não tinha lido este texto. Muito bom!!!
Bjs,
Marlene

Adriana Balreira postou o comentário número:

Adoro a Martha Medeiros e concordo com ela, não precisamos ficar vivendo de fortes emoções. Eu detesto, eu quero viver em paz, podendo ficar em silêncio e o outro me entender. Amei a crônica.
Beijos
adriana

Chris Ferreira postou o comentário número:

Oi Elaine,
que lindo!
Adorei o texto!
Beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com.br/

Larissa Banister postou o comentário número:

Que lindo, estou há dois anos com meu marido e meu casamento é maravilhoso, vou contra todos esses clichês e tb acredito que ter em seu amor um lugar de repouso é uma das maiores satisfações. Beijos

Janinha postou o comentário número:

Mto bom, mais um texto da Martha super bem pensado.
E concordo com vc, detesto clichês, "fórmulas" e determinismos.
Viva o lugar de repouso!
Bjocas.

Deidy postou o comentário número:

Perfeito, Elaine!
Também não concordo com esses clichês. Acho que são desculpas de quem não soube amar. É sempre mais fácil colocar a culpa no outro. Enfim...
Eu sempre acreditei no amor como lugar de repouso. Que bom seria se todo mundo acreditasse... infelizmente, as coisas não são assim.
Lindo post!
Bjos.

Cassia Albuquerque postou o comentário número:

Amiga amei seu blog, desejo a você toda felicidade do mundo, você merece cada pingo e respingo de felicidade que transborda em sua vida e do Reinaldo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...